Recém-Nascidos

A IMPORTÂNCIA DOS ESTÍMULOS EXTERNOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BEBÊ


Uma das grandes preocupações dos pais atualmente - especialmente em relação aos bebês - refere-se a questões concernentes à estimulação necessária ao bom desenvolvimento de uma criança. Como fornecer os meios adequados que estimulem a criatividade e inteligência satisfatoriamente?

De fato, sabe-se que estimulações são essenciais ao bebê, especialmente quando este se encontra entre 0 e 3 anos de idade. Nesse período, quando realizados adequadamente, os estímulos externos favorecem o desencadeamento de sinapses, resultando no fortalecimento de várias áreas de desenvolvimento do bebê e facilitando assim a aquisição de habilidades pela criança, como memória e coordenação motora. O cérebro do bebê começa a “funcionar” desde antes do seu nascimento. As diversas sensações experimentadas pela mãe durante a gravidez, bem como outros estímulos externos (como os sons), são também sentidos pelo bebê – daí a importância de que todas essas experiências sejam vivenciadas da maneira mais adequada possível.

Entretanto, essa adequada aquisição de habilidades depende diretamente de uma adequada estimulação, que deve levar em conta a maturidade da criança, e deve também proporcionar experiências que sejam agradáveis e que respeitem os limites da mesma. Dessa forma, todos os estímulos devem ser transmitidos com afetividade, estando relacionados com os vínculos materno, paterno e com outras pessoas que se relacionem com a criança.

Um bebê pode ser estimulado de várias maneiras e em diferentes momentos do seu dia-a-dia. A mãe pode (e deve) tocá-lo; o toque é essencial para o desenvolvimento e conforto do bebê. Dentre as terríveis experiências realizadas durante a Segunda Guerra Mundial, constatou-se que bebês desprovidos de toque (quase que por completo), ainda que bem agasalhados e alimentados, não sobreviviam (a maioria deles). Segurar e acariciar o bebê no colo, massagens nas mãos e pés e a Shantala (massagem que, dentre outros benefícios, favorece o aumento da imunidade) são algumas medidas simples e eficientes relacionadas à noção de corporeidade. O bebê pode ser apoiado de formas diversas – em pé, sentado, com a barriga apoiada nos braços da mãe ou do pai -; pode ser carregado em diferentes posições; deve segurar e “experimentar” com o toque objetos e brinquedos de diferentes tamanhos e materiais.

A mãe precisa estar atenta a tudo o que chama a atenção do seu bebê, conversando e falando os nomes dos objetos que despertem sua curiosidade, cantando músicas que sejam do interesse da criança, bem como participando de brincadeiras que sejam agradáveis a ela. Para os que desejam informações mais aprofundadas, o autor Glenn Doman publicou alguns livros sobre o assunto; entre eles, “Como multiplicar a inteligência do seu bebê”, da Editora Artes e Ofícios.

E agora é só aproveitar os bons momentos na companhia do seu filho, da maneira mais agradável e estimulante possível. Com toda certeza será proveitoso – e uma grande alegria - para ambos.


Denise Juhasz Silva
Psicóloga
Contato : denise.psicologia@mae24horas.com.br