Pré-Concepção

REPRODUÇÃO HUMANA


A dificuldade em engravidar e ter filhos é uma situação que gera apreensão, ansiedade, tensão e até frustração. Estatísticas demonstram que quinze por cento dos casais têm problemas para procriar.

Há muitos fatores que motivam a busca do filho. Além da vontade natural do casal, devemos considerar o papel desempenhado pela pressão cultural e familiar, no sentido que todo casal deve ter filhos. Perguntas inevitáveis são sempre feitas; “Como é, ainda não se decidiram?”, “Tanto tempo casados e até agora nada?”. O filho é esperado e muitas vezes “exigido” e “cobrado”.

O processo de diagnóstico e tratamento gera ansiedade, apreensão e incerteza. O casal necessita de boa dose de tolerância: não há lugar para pressa e para resultados imediatos. Há que esperar vários ciclos menstruais com exames cansativos.

São muitas as variáveis que se conjugam para impedir que um casal tenha filhos. Um levantamento minucioso e completo de todos os dados pessoais e clínicos é indispensável para configurar o quadro. Todos os dados são importantes. Os antecedentes ginecológicos, o desenvolvimento na infância e puberdade, o histórico menstrual e função sexual, uso de medicamentos, infecções locais ou outras doenças infecciosas, tratamentos anteriores, cirurgias abdominais, abortos – tudo precisa ser relatado. É através destes dados que o médico já pode identificar onde está (ão) a(s) provável(is), disfunção(ões): nos ovários, nas trompas, no útero, etc. Estas hipóteses só devem ser exploradas laboratorialmente após o marido ter realizado um Espermograma, ou consultado um urologista para ser afastado o fator masculino, uma vez que à mulher, como se verá, cabe o maior esforço investigativo.


TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA


Dentre as técnicas de reprodução assistida, temos a Estimulação da Ovulação, que consiste na utilização de medicações para estimulação ovariana, devendo ser adequada para cada caso em particular. A estimulação ovariana permite a liberação de vários óvulos maduros, para que possam ser fertilizados dentro ou fora do organismo materno.

A Inseminação Artificial Intra Uterina, que é utilizada em geral, quando são reconhecidas alterações seminais importantes, tanto na qualidade quanto na quantidade dos gametas masculinos. São empregadas técnicas de capacitação, processo que viabiliza o espermatozóide a entrar no óvulo e centrifugação para separar os melhores espermatozóides, as impurezas, e ás vezes, anticorpos do líquido seminal, e após serão transferidos para a cavidade uterina através de cateter inerte flexível de látex.

E a Fertilização In Vitro, dentre as técnicas é a que causa maior curiosidade por se tratar da técnica utilizada para realizar o “bebê de Proveta”.

Em seu livro de 1932, “Admirável Mundo Novo”, Aldous Huxley, introduziu o conceito do bebê de proveta. Ele via o progresso científico tanto inevitável quanto desejável. Em sua visão futurista, escreveu não para atingir a ciência ou limitar sua aplicação à nossa vida, mas para nos advertir contra os perigos de centralizar as decisões sobre seu uso.
A descoberta e aplicação da FIV (Fertilização In Vitro) para o tratamento da infertilidade foram os maiores passos na medicina reprodutiva. Tal arte tecnológica foi desenvolvida pelos médicos ingleses Drs. Steptoe e Robert Edward, no ano de 1978, com o nascimento de Louise Brown.

O programa da Fertilização in Vitro é realizado em quatro etapas:

- A Estimulação Ovariana: nesta etapa é necessário estimular o ovário a produzir um número acima do fisiológico de folículos. (Bolsa contendo em seu interior os óvulos).

- A Coleta dos Oócitos (óvulos): nesta os óvulos serão coletados através de aspiração direta com agulha guiada pela ultrassonografia endovaginal,

- A Fecundação do óvulo e desenvolvimento do embrião: o biólogo identificará os óvulos com auxílio de microscópio de dissecção em temperatura e ambiente controlados. Os quais serão inseridos em um meio de cultura especial. Uma amostra do sêmen é obtida em recipiente esterilizado, o qual será processado e incubado, antes de ser colocado em meio de cultura com o óvulo. O espermatozóide e o óvulo ficarão no mesmo ambiente (meio de cultura), aproximadamente de 18 a 24 horas e, depois de confirmada a fusão dos mesmos, serão transferidos a um meio de desenvolvimento mais rico em proteínas.

- A Transferência do embrião para dentro do útero: que é a última etapa da técnica de Fertilização in Vitro, é o momento vital importante. A transferência embrionária é um processo rápido e indolor. Um catéter fino e flexível é inserido cuidadosamente na cavidade uterina a 1 cm de seu fundo, sendo removido com grande cuidado no intuito de maximizar as chances de implantação embrionária e aumentar nossos índices de gravidez.

O procedimento é efetuado no 3° ou 5° dia após a coleta dos óvulos. O apoio psicossomático dos familiares, amigos e a equipe médica são de extraordinária importância.

A última técnica de reprodução assistida é A Microinjeção de Espermatozóide no óvulo. Tal procedimento é produto da arte tecnológica, conhecimento profundo da biologia celular e destreza manual. As indicações para realizar este tratamento são alterações importantes na quantidade, na atividade ou na morfologia dos espermatozóides.



Dr.Luiz Fernando Bellintani
Ginecologista Obstetra
Contato: bellintani.obstetra@mae24horas.com.br