Bebezinhos

PAPINHAS



As famosas papinhas têm sua introdução na alimentação do bebê após o sexto mês, quando iniciamos gradualmente a oferta de sucos de frutas, papas doces e salgadas, respectivamente. (Conto em meu livro, o susto que levei quando percebi que viraria cozinheira em tempo integral, elaborando mil sucos e papinhas!!!)

As papas doces são as primeiras papas a serem oferecidas ao bebê e consistem na fruta amassada, preferencialmente crua (como a banana, a maçã) ou até ligeiramente cozidas (maçã e pêra). Não há necessidade de acrescentar açúcar, o bebê deve se acostumar ao paladar natural das frutas (com seu açúcar natural, a frutose) para poder diferenciar sabores. Elas devem ser oferecidas no meio da manhã ou no meio da tarde.

As papas salgadas consistem basicamente em alimentos cozidos amassados, para facilitar a verificação da textura e, promovendo a maior apreciação do sabor e claro, facilitando a deglutição. Podem conter uma mistura de 3 até 6 alimentos diferentes, que podem ser cozidos juntos (tipo sopa, até sumir quase toda água e estarem cozidos) ou separados (no caso de arroz e feijão), temperados com óleo, pouco sal, e um pouco de cebola.

O ideal é termos na papa um pedaço de carne, fonte de proteína (músculo, a mais indicada, frango), uma ou duas fontes de carboidrato (batata, cará, mandioquinha, cenoura, abóbora), uma hortaliça (salsinha, alface, escarola) e um representante dos grãos (feijão, lentilha, grão de bico, ervilha).

A introdução de papas no cardápio infantil se dá por etapas. Pode-se passá-la inicialmente pelo liquidificador, em etapas posteriores passar pela peneira e depois simplesmente amassar com um garfo, até por fim, dar o alimento em pedaços pequenos, aumentando-os gradualmente até obter pedaços maiores, porém passíveis de assimilação pelo bebê.

Na semana inicial apenas 1 legume com 1 hortaliça (mandioquinha com escarola, cenoura com alface, batata com espinafre); na semana seguinte adiciona-se a carne; nas semanas consecutivas adicionam-se os grãos, pode-se adicionar ovos, e acrescentar-lhe mais legumes, variando a oferta de sabores e cores.

Não pense que o bebê aceitará tudo facilmente, muitas vezes ele poderá rejeitar certos alimentos. Não desista. Volte a oferecê-los mais tarde, em outra ocasião. A oferta freqüente de um alimento fará com que a criança se familiarize com ele e tente aceitá-lo.

O pediatra é a pessoa mais indicada para saber a hora em que as papas deverão ser introduzidas na rotina do bebê.Ele mesmo fornecerá as receitas iniciais e lhe fornecerá noções para desenvolver as próximas. Você também poderá recorrer a uma nutricionista para ajudar na elaboração e variação dos cardápios.

Mas lembre-se: a amamentação é importantíssima, completa e recomendada como única fonte de alimentação até os seis meses. Se possível, prorrogar esse período por mais seis meses, amamentando até o bebê completar um ano de idade.



Sara Gonçalves
Mãe dos trigêmeos Anna Vitória, João Vitor e Antonio Carlos